Blog

A Sarada Adoentada

3 de novembro de 2014
Facebook Google Twitter

Depois da Anorexia Nervosa e da Bulimia Nervosa, vem aí a “Hipertrofia Nervosa”! Aliás, você sabe o que é o Complexo de Adonis?

Adonis, na mitologia, era considerado um deus grego, ícone da beleza masculina. O Complexo de Adonis se caracteriza por um transtorno dismórfico (distorção da forma) onde há uma preocupação exagerada ou uma obsessão pela imagem corporal hipertrofiada. É também chamado de vigorexia, ou dismorfia muscular. É muito comumente encontrada no fisiculturismo. Em outras palavras, é uma doença da mente que faz com que a pessoa se ache compulsivamente magra ou fraca demais.

juju-salimeni-antes-da-fama  Na onda contrária da maré das anorexias e bulimias nervosas, um perfil feminino vem se tornando cada vez mais comum na sociedade, gerado pelo crescimento exponencial do culto da imagem e do corpo promovido em redes sociais, mídia televisiva e internet em geral. As selfies ou belfies de Jen Selter e as dicas e vídeos das musas fitness Bella Falconi e Eva Andressa são exemplos disso. Você já viu como eram jujumagrinhas as brasileiras Juju Salimeni e Gracyanne Barbosa 10 anos atrás? O histórico delas é quase sempre o mesmo: trauma da magreza e falta de bunda. E a idéia é “secar”.

Essa autocobrança, aliado a outros fatores, como a ansiedade e a insegurança em sua personalidade, é responsável pela febre das academias, personal trainers, nutricionistas, cirurgiões plásticos e agora nutrólogos. Nunca na história se ouviu tanto falar por aí em whey, suplementos, modulação hormonal, insulina, beta-hcg, testosterona, bupropiona, sibutramina e diuréticos. É o que estou chamando de “Hipertrofia Nervosa”. Um comportamento semelhante à doença descrita acima, porém talvez em menor grau.

eva andressa2 Esse estresse psicológico, em casos mais graves, pode levar a sintomas como no Complexo de Adonis: comportamento antissocial, ansiedade exagerada, depressão, dificuldade de relacionamento, de se olhar no espelho e medo de “ficar fina” de novo. Além disso, inúmeros efeitos colaterais podem surgir do uso das substâncias e medicações que citei acima. Para completar e piorar (no meu ponto de vista), ocorre a chamada masculinização do corpo, e algumas vezes da voz. Dia desses vi uma foto no Instagram que não conseguia acreditar que se tratava das coxas de uma mulher (anexo)…

Como homem e cirurgião plástico, admirador da beleza feminina, considero essa tendência uma grande aberrafoto 2ção. Uma aberração mental. Na verdade, um sofrimento mental, mas que não é “postado”. Infelizmente, o que se publica é a foto, a superficialidade do corpo. E o pior é que viraliza, que contagia, que vira febre.

Seria preciso que essas mulheres percebessem quando está ocorrendo o distúrbio, para que iniciassem o tratamento, com apoio social, terapia psicológica e até psiquiátrica. Porém, a não aceitação do problema e a convivência com outras pessoas do mesmo meio e mesma mentalidade geram um ciclo vicioso crescente de amizades e comunidades relacionadas difícil de se mudar.

Gracyanne_BarbosaTexto: Dr. Ernando Ferraz

 

5 ideias sobre “A Sarada Adoentada

  1. Dydy Ramos

    Muuitooo bommm!!!! Parabens!!! Nós mulheres (em especial), vivemos sobre a ditadura da beleza. Como a mídia tem o poder de causar doenças nas pessoas… Antigamente ditavam q as mulheres tinham q ser magras, e os sintomas da anorexia aparecia frouxo, hj, temos que ser as gostosas, saradas, etc. Nada como realmente um psicológico equilibrado, p saber dosar o que realmente é bom p cada um de nós. E o papel dos profissionais como, psicólogos, psiquiatras, terapeutas são fundamentais p contornar essa situação.

    Responder
    1. admin Autor do post

      Dydy,

      o que falou está corretíssimo! Temos que buscar exatamente isso, o equilíbrio! E para tal, temos que estar com a mente saudável. Mens sana in corpore sano.

      Um abraço,
      Ernando.

      Responder
  2. Viviane Vasconcelos

    Pois é!!! Credito parte dessa intensificação pelo culto ao corpo à mídia, que promove o tempo todo uma padronização de beleza. E isso causa uma busca incessante de superar os limites biológicos do próprio corpo!!! Daí o ” boom” de pessoas doentes!!! Querer se ver bonita, é mais do q saudável!! Mas o bom senso e a auto aceitação da sua estrutura devem andar sempre juntos!!
    Parabéns pela matéria, Dr!!!!!

    Responder
  3. Laura Sabino

    Muito bom o texto, dr!!! O título está perfeito!!! Mulheres saradas e doentes, buscam na beleza de músculos hipertróficos a compensação de suas frustrações. Todo mundo quer melhorar, mas algumas passam dos limites do normal, até do belo….

    Responder
  4. Amanda Ponzi

    Texto excelente e super atual!!! É o “boom” do momento. Não se fala em outra coisa. É uma tendência mundial, coisa grande! Desde a marca que se reestruturou para ser eco até as pessoas que estão aprendendo como comer corretamente. Isso tudo, na minha opinião, é muito legal e o perigo está no exagero e nas comparações. Tem muita inspiração por aí que pode virar piração, e é aí onde devemos tomar cuidado. Acho legal ler histórias de evoluções e coisas de pessoas que tinham auto estima baixa, mas passou a se cuidar e mudou a vida. Mas primeiro acho que a verdadeira mudança tem que vir de dentro para fora e não o contrário. A impressão que tenho é que com essa febre de “#projetos” o nosso objeto de consumo é o corpo alheio. E a febre do momento são as blogueiras fitness, que exibem diariamente nas redes sociais seus corpos “secos e definidos”. A impressão que tenho é que as pessoas estão querendo ser um padrão, todo mundo agora quer “secar e definir” e para isso topam qualquer parada e aí vão em suas redes sociais e postam o antes e o depois. O que acho mais hilário é que até as legendas são padronizadas kkkkkk. “3 meses depois: treino, dieta e foco”. Oi? É tudo tão “fake” quanto a legenda. É assim, a Mídia vai atualizando seu padrão de beleza e a gente deve ir seguindo. Então as pessoas fazem de tudo, tudo mesmo para entrarem nesse tal padrão atual. Então começam a adoecer mentalmente, e vivem numa espécie de “ditadura do corpo sarado”. É tipo assim: “tenho uma barriga de tanquinho e vou dizer que estou precisando urgentemente malhar, pois comi UMA colherada de sobremesa no domingo”. Acho meio surreal, a pessoa contando que vai ao restaurante, pede a sobremesa e dá uma colherada (mas deixa o resto, claro), pois “domingo pode”. E assim vai, as mulheres estão perdendo a sua feminilidade e nem estão se dando conta, é um ciclo vicioso mesmo… Concordo com o Dr, seria bom saber quando parar e procurar ajuda para não ser mais uma SARADA ADOENTADA! Perfeito texto Dr Ernando.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *