Blog

5 polêmicas sobre PRÓTESE DE MAMA

13 de novembro de 2015
Facebook Google Twitter

imagem protese de mama1.“Prótese suspende a mama caída”- Em situações em que há uma certa flacidez de pele, a prótese dá preenchimento à mama de forma que a mesma fica mais tensa e menos frouxa, elevando levemente o posicionamento das aréolas, melhorando a forma e evitando até uma cirurgia mais complexa. Porém, se já há uma queda real da mama, e, principalmente das aréolas, isso não evitará a cirurgia de suspensão.

2.“Vai ter menos cicatriz nos casos de suspensão”- Nos casos em que há queda da mama, a presença da prótese, por preencher a frouxidão e esticar a pele, geralmente faz com que o cirurgião consiga retirar menos pele, gerando, consequentemente, cicatrizes mais reduzidas. Porém, há um lado negativo, pois quanto maior a prótese na tentativa de se evitar essas cicatrizes, maior o volume final e peso da mama, e a tendência à queda futura.

3.“A prótese é vitalícia, não vai mais precisar trocar”- Pode até ser que não precise, se for colocada em uma idade mais avançada (o que é raro), mas essa informação não pode ser dita. O que ocorre é que os fabricantes, como uma forma de marketing, divulgam que a garantia da prótese para ruptura é vitalícia, gerando uma má interpretação da realidade. A prótese é feita com material de silicone de alta tecnologia, mas isso não a isenta de sofrer um desgaste normal com o tempo. Uma prótese com 10 anos de colocação, por exemplo, já não tem a mesma resistência a um impacto que uma recém colocada, mas não significa que ela deva ser substituída, se não está havendo nenhum problema físico. Além disso, vários outros motivos podem levar a uma troca, após 1 ou até somente após 20 anos, como: desejo da paciente de mudar o tamanho, queda da mama pela flacidez do tempo, contratura da cápsula da prótese e, muito raramente, ruptura da prótese.

4.“Você vai amamentar normalmente”- Isso não pode ser afirmado. Mulheres não conseguem amamentar seus bebês por diversos motivos. A presença da prótese dentro da mama por si só não leva a nenhum impedimento relacionado à amamentação, pois ela fica isolada do parênquima mamário (separada por uma cápsula), porém, cicatrizes mamárias internas decorrentes de uma cirurgia podem, sim, dificultar uma futura amamentação. Não há, na atualidade, trabalho científico que prove que uma determinada cirurgia ou outra de colocação de prótese possa atrapalhar ou não, nem a incidência em que isso possa ocorrer, portanto esse item deve ser bem conversado entre a paciente e cirurgião antes do procedimento.

5.“Prótese atrapalha exame de mamografia e ultrassom e a detecção de câncer de mama”- Atualmente, isso não pode ser afirmado. Há tempos atrás, já atrapalhou muito, porém esses exames são dependentes da experiência do radiologista e da qualidade das máquinas que realizam os exames. A grande demanda de pacientes com próteses e a melhoria da tecnologia dos aparelhos de imagem fazem com que a sensibilidade para detecção de alterações mamárias (nódulos ou câncer) seja altíssima, não havendo prejuízo algum na realização dos exames de rotina e na descoberta de doenças benignas ou malignas. Além disso, o radiologista pode lançar mão da Ressonância Magnética, que é um outro exame extremamente sensível e que apóia o diagnóstico.

Texto: Dr. Ernando Ferraz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *